Pensamento Político

Site do Laboratório de Pensamento Político – PEPOL/Unicamp

Pensamento de Antonio Gramsci

No primeiro semestre de 2018, as professoras Daniela Mussi (DCP-USP/Pepol-Unicamp) e Deise Rosálio (FE-USP) organizaram grupo de estudos introdutórios ao pensamento de Antonio Gramsci (Cadernos do Cárcere) com estudantes da graduação em Ciências Sociais da Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Os encontros seguiram um percurso temático e se concentraram na leitura de alguns dos Cadernos Especiais que Gramsci escreveu na prisão (aqueles em que os parágrafos aparecem reunidos de maneira mais ou menos organizada, ainda que não acabada).

A escolha da condução por temas seguiu um método de introdução ao pensamento de Gramsci desenvolvido pelo Pepol-Unicamp ao menos desde 2008 e que vem sendo replicado e desenvolvido ao longo dos últimos anos.

Este modelo de percurso introdutório temático no interior dos Cadernos do Cárcere não substitui o estudo e apreensão das ferramentas filológicas para pesquisa em seu interior, mas é eficaz na aproximação de novos leitores, pouco ou nada familiarizados com o pensamento deste autor.

O grupo de leituras promoveu 9 encontros, com duração de duas horas cada. Todos os encontros foram gravados e estão disponíveis com o acordo de todas e todos que participaram das discussões. A dinâmica dos encontros consistiu de apresentações dos textos pelos estudantes seguidas de comentários sobre os seguintes temas:

  • Como ler Gramsci?
  • Hegemonia, intelectuais e frente filosófica
  • Filosofia da práxis, senso comum e bom senso
  • Estrutura e superestrutura: Prefácio de 1859
  • Estado e sociedade civil
  • Hegemonia e subalternidade
  • Guerra de movimento e guerra de posição
  • Risorgimento: revolução passiva como passado
  • Americanismo e fascismo: a revolução passiva como presente

Longe de esgotar sequer os temas discutidos, a disponibilização deste material tem por objetivo incentivar o surgimento de iniciativas semelhantes, bem como registrar as profícuas discussões realizadas.

Participaram desta iniciativa os/as seguintes estudantes: Thayna Mesquita, Lucas Genizelli, Diego Gonçalves, Camila Ribeiro, Gabriela Schmidt, Sandra da Silva, Victor Pugliese, Everton Lourenço, Lenna Nascimento, Igor Marquezine e Natália Hirose.

Programa dos encontros

1. Como ler Gramsci?

Encontro 1: 01 de março
Link para o áudio: https://drive.google.com/open?id=1G6xRJnW41ixBdkoIm5NsjndMBy7NfP8-

Apresentação e comentários: Daniela Mussi e Deise Rosálio
Tema: Os Cadernos do Cárcere: edições e usos

Leitura para discussão:
BIANCHI, Alvaro. O laboratório de Gramsci. São Paulo: Alameda, 2008. (Introdução e capítulo “Eterno/Provisório”, p. 13-54)

2. A filosofia como política

Encontro 2: 29 de março
Link para o áudio: https://drive.google.com/open?id=1PNCUNOvgxQxABHhqFCvfDm_d6Yqh4bdb

Apresentação: Thayna Mesquita e Lucas Genizelli
Comentário: Deise Rosálio
Tema: Hegemonia, intelectuais e frente filosófica

Leitura para discussão:
Cadernos do Cárcere: Vol. 2, Caderno 12 (inteiro); Vol.1, Caderno 11, §16; Vol. 1, Caderno 10/II, § 44

Encontro 3: 5 de abril
Link para áudio:
https://drive.google.com/open?id=1OYgvk_M6b57516ylM-Eo4PMPJvti1dWj

Apresentação: Diego Gonçalves
Comentário: Daniela Mussi
Tema: Filosofia da práxis, senso comum e bom senso

Leitura para discussão:
Cadernos do Cárcere: Vol 1, Caderno 10/I, §§ 8, 11; Vol. 1, Caderno 10/II §§ 2, 6, 9, 10, 13, 17, 31, 44, 48, 52; Vol. 1 Caderno 11, §§ 12, 13, 14, 15, 17, 20, 25, 26, 28, 30, 34,  36, 37, 44, 54, 59, 60, 67; Vol 1. Caderno 15, §22; Vol 2. Caderno 24, §4.

Encontro 4: 12 de abril
Link para áudio: https://drive.google.com/open?id=1Bozh_6D–lAAB9zbICaeRZd7Z4ocINs0

Apresentação: Camila Ribeiro, Gabriela Schmidt
Comentário: Daniela Mussi
Tema: Estrutura e superestrutura: o Prefácio de 1859

Leitura para discussão:
Cadernos do Cárcere: Vol. 1, Caderno 10/II, §§ 12, 59(II); Vol. 1, Caderno 11, §§ 21, 22, 29; Vol. 3, Caderno 13, §17.

Marx, Karl. Prefácio. Contribuição à crítica da Economia Política. São Paulo: Expressão Popular, 2008. p. 45-49.

3. Elementos para crítica da política

Encontro 5: 3 de maio
Link para áudio:https://drive.google.com/open?id=1iVMasa7ZP3CeHmcaEqKowRtoEVLYXqUx

Apresentação: Sandra da Silva
Comentário: Deise Rosálio
Tema: Estado e sociedade civil

Leitura para discussão:
Cadernos do Cárcere: Vol. 1, Caderno 10/II, §§ 17, 61; Vol. 3, Caderno 13, §§ 7, 14, 18, 24.

Encontro 6: 10 de maio
Link para áudio:
https://drive.google.com/open?id=1_1njKbMEi0TznbmqPKPqmInu6Sq2zfCe

Apresentação: Victor Pugliese
Comentário: Deise Rosálio
Tema: Hegemonia e subalternidade

Leitura para discussão:
Cadernos do Cárcere: Vol. 5, Caderno 25, (inteiro, com atenção especial aos  §§ 2, 4 e 5); Vol. 3, Caderno 13, §§  7, 14 e 17.

Encontro 7: 24 de maio
Link para o áudio:
https://drive.google.com/open?id=1bkzTNGVzKDXy4MOL215ZWYU0h9NLAK3L

Apresentação: Everton Lourenço e Lenna Nascimento
Comentário: Daniela Mussi
Tema: Guerra de movimento e guerra de posição

Leitura para discussão:
Cadernos do Cárcere: Vol. 3, Caderno 13, §§ 7, 24, 26; Vol. 1, Caderno 10/I, § 9.

4. História como política

Encontro 8: 07 de junho
Link para o áudio: https://drive.google.com/open?id=1zzstMq20GLg-50b7waIqkTG_tjAeiGci

Apresentação: Diego Gonçalves e Igor Marquezine
Comentário: Daniela Mussi
Tema: Risorgimento: revolução passiva como passado

Leitura para discussão:
Cadernos do Cárcere: Vol. 5, Caderno 19 (inteiro).

Encontro 9: 21 de junho
Link para o áudio: https://drive.google.com/open?id=1PQnfV1awVjZm5eQmDmQI5Pv4dYXyU8vs

Apresentação: Natália Hirose e victor Pugliese
Comentário: Deise Rosálio
Tema: Americanismo e fascismo: a revolução passiva como presente

Leitura para discussão:
Cadernos do Cárcere: Vol. 4, Caderno 22 (inteiro).

Link para a pasta com os textos das leituras obrigatórias e complementares:
https://drive.google.com/drive/folders/1eMfDb2wabouozIF_kPjmdlYr2LiIhb4X

Referências bibliográficas complementares

ANDERSON, Perry. As antinomias de Antonio Gramsci. In: ANDERSON, Perry et al. Crítica marxista: a estratégia revolucionária na atualidade. São Paulo: Joruês, 1986, p. 7-74

BADALONI, Nicola. Gramsci: a filosofia da práxis como previsão. In: HOBSBAWM, Eric (org.). História do marxismo. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1991, v. X, p. 13-128

BADALONI, Nicola. Liberdade individual e homem coletivo em Gramsci. In: INSTITUTO GRAMSCI. Política e história em Gramsci. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

BARATTA, Giorgio. As rosas e os Cadernos: o pensamento dialógico de Antonio Gramsci. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

BENEDETTO, Donatella Di. Americanismo e corporativismo em Gramsci. Novos Rumos, São Paulo, n. 35, 2001, p. 11-19.

BENSAÏD, Daniel. Marx, o intempestivo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

BIANCHI, Alvaro. Crise, política e economia no pensamento gramsciano. Novos Rumos, n. 36, p. 28-37, 2002

BIANCHI, Alvaro. Lukács, Gramsci e a crítica ao Ensaio popular de Bukharin. Universidade e Sociedade (ANDES), Brasília, v. XIII, n. 30, p. 182-187, 2003

BIANCHI, Alvaro. Resenha de Gramsci, Antonio. Cadernos do cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999-2002, 6v. Outubro, n. 10, p. 134-142, 2004.

BIANCHI, Alvaro. O laboratório de Gramsci. São Paulo: Alameda, 2008.

BIANCHI, Alvaro. O léxico de Gramsci: filosofia da práxis, Estado e sociedade civil, sociedade regulada. Revista Movimento, 28 nov. 2017. Disponível online.

BOBBIO, Norberto. Ensaios sobre Gramsci e o conceito de sociedade civil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

BRAGA, Ruy. Risorgimento, fascismo e americanismo: a dialética da passivização. In: DIAS, Edmundo Fernandes et alli. O outro Gramsci. São Paulo, Xamã, 1996, p. 167-182.

BUCI-GLUCKSMANN, Christine. Entrevista com Christine Buci-Glucksmann. Revista Mexicana de Sociologia, v. XLII, n. 1, p. 289-301, 1980.

BUCI-GLUCKSMANN, Christine. Gramsci e o Estado: por uma teoria materialista da filosofia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

BUCI-GLUCKSMANN, Christine. Sobre os problemas políticos da transição: classe operária e revolução passiva. In: INSTITUTO GRAMSCI. Política e história em Gramsci. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1978, p 117-148.

COSPITO, Giuseppe. Struttura e sovrastruttura nei “Quaderni” di Gramsci. Critica Marxista (nuova serie), Roma, n. 3-4, mag.-ago. 2000, p. 98-107.

COUTINHO, Carlos Nelson. Gramsci. Um estudo sobre seu pensamento político. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

CREHAN, Kate. Gramsci common sense: inequality and its Narratives. Duke University, 2016.

DE FELICE, Franco. Revolução passiva, fascismo, americanismo em Gramsci. In: INSTITUTO GRAMSCI. Política e história em Gramsci. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira 1978.

DEL ROIO, Marcos. Gramsci contra o Ocidente. In: AGGIO, Alberto. Gramsci: a vitalidade de um pensamento. São Paulo: Unesp, 1998, p. 103-118.

DIAS, Edmundo Fernandes. Hegemonia: racionalidade que se faz história. DIAS, Edmundo Fernandes et alli. O outro Gramsci. São Paulo: Xama, 1996, p. 9-80

DIAS, Edmundo Fernandes. Sobre a leitura dos textos gramscianos: usos e abusos. DIAS, Edmundo Fernandes et alli. O outro Gramsci. São Paulo: Xama, 1996a, p. 105-122

FIORI, Giuseppe. A vida de Antonio Gramsci. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

FRANCIONI, Gianni. L’officina gramsciana: ipotesi sulla struttura dei “Quaderni del carcere”. Napoli: Bibliopolis, 1984.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999-2002, 6v.

GRAMSCI, Antonio. Escritos Políticos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004, 2v.

GRAMSCI, Antonio. Cartas do cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005, 2v.

KANOUSSI, Dora e MENA, Javier. La revolución pasiva: una lectura a  los Cuadernos de la Cárcel. México D.F.: Universidad Autónoma de Puebla, 1985.

LEPRE, Aurelio. O prisioneiro: a vida de Antonio Gramsci São Paulo: Record, 2001;

LIGUORI, Guido. Estado e sociedade civil: entender Gramsci para entender a realidade. In: COUTINHO, Carlos Nelson e TEIXEIRA, Andréa de Paula. Ler Grasmci, entender a realidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003, p. 173-188.

MUSSI, Daniela; GÓES, Camila. Antonio Gramsci no centro e na periferia: notas sobre hegemonia e subalternidade, International Gramsci Journal, 2016.

MUSSI, Daniela. O fascismo como elo subalterno do Americanismo. Blog da Boitempo, 28 jun. 2017. Disponível online.

PAGGI, Leonardo. La teoría general del marxismo en Gramsci. In: GRAMSCI, Antonio. Escritos políticos (1917-1933). México D.F.: Siglo XXI, 1981, p. 13-81.

PORTANTIERO, Juan Carlos. Los usos de Gramsci. Mexico D.F.: Folios, 1987.

PORTELLI, Hugues. Gramsci e o bloco histórico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

SCHLESENER, Anita H. Revolução e cultura em Gramsci. Curitiba: Ed. UFPR, 2002.

SENA JR. Carlos Zacarias F. de. Gramsci: mais um antitrotskista? Outubro, n. 10, 2004, p. 49-68.

SOUZA, Angela Tude de. Sobre o Americanismo e Fordismo de Antonio Gramsci. Textos Didáticos IFCH/Unicamp, n. 5, 1992.

TEXIER, Jacques. Significati di società civile in Gramsci. Critica Marxista, Roma, a. 26, n. 5, p. 5-35, set. Ott. 1988.

TOSEL, Andre. Gramsci e a revolução francesa. Novos Rumos, São Paulo, v. 9, n. 22, p. 41-45, 1994.

VIANNA, Luiz Werneck. A revolução passiva: iberismo e americanismo no Brasil. Rio de Janeiro: Iuperj/Revan, 1997.