Pensamento Político

Site do Laboratório de Pensamento Político – PEPOL/Unicamp

Trotskismos e América Latina

Os trotskismos, apesar de constituírem uma corrente política presente na América Latina, poucas vezes foram considerados como uma corrente intelectual. Sem dúvida, o tamanho e a própria marginalidade de alguns grupos contribuíram para isso, mas também uma falta de conexão entre o debate político e o debate acadêmico e também a hegemonia de correntes historiográficas, políticas e sociológicas não marxistas e, nas correntes marxistas acadêmicas, a hegemonia das interpretações stalinistas, contribuíram para excluir as interpretações trotskistas sobre o nosso continente do debate intelectual.

Consideramos que, de certa maneira, para o debate intelectual, os trotskismos poderiam ser classificados como parte do “marxismo esquecido” descrito por Horácio Tarcus em seu livro sobre Milcíades Peña e Silvio Frondizi – o primeiro integrante das correntes trotskistas, enquanto o segundo não se reivindicava trotskista, mas era identificado como um (TARCUS, 1996). Retirar estas elaborações do “esquecimento” e investigá-las com rigor nos parece uma empreitada importante, ainda mais, quando partimos da consideração de que os trotskistas conseguiram “formular exames conjunturais e estruturais de caráter histórico, político e econômico, tanto em nível do Estado-Nação como internacional, instigantes e inovadores” (KAREPOVS, 2005, p. 7).

O objetivo deste grupo de estudos é justamente estudar as elaborações dos trotskistas sobre o continente latino-americano, refletindo sobre o conjunto, mas também sobre alguns países específicos, buscando constituir a ideia de que o trotskismo tem uma interpretação particular, com divergências internas próprias das correntes intelectuais, sobre o que é e como se formaram as sociedades latino-americanas.

Trabalhamos com a ideia de trotskismos, no plural, pois pensamos que por mais que as referências básicas sejam semelhantes, a própria história política e intelectual da corrente é plural: é impossível reivindicar um único trotskismo, dada a diversidade das elaborações e das correntes que partiram das mesmas teses elaboradas por Trotsky. Investigar as diferenças na elaboração intelectual dessas correntes é também parte da compreensão de como o próprio movimento se fragmentou e não conseguiu, até hoje, encontrar-se como uma única corrente política e intelectual.

Proposta de programa de debates

Organizamos as leituras e debates de nosso grupo de estudos em dois momentos:

  • O primeiro, para a compreensão dos debates do próprio Trotsky sobre a América Latina, presente nos Escritos Latino-americanos, no qual o autor dá atenção aos problemas do continente e, principalmente, do México.
  • Em um segundo momento, passaremos ao estudo de correntes específicas do trotskismo latino-americano, iniciando pelas elaborações da corrente brasileira Liga Comunista Internacionalista. Para esta etapa, nos debruçaremos sobre o livro Na contracorrente da história, com documentos do trotskismo brasileiro organizados por Fulvio Abramo e Dainis Karepovs.

Bibliografia Inicial

ABRAMO, F.; KAREPOVS, D. (Orgs.). Na contracorrente da história. São Paulo: Sundermann, 2015.

BENSAÏD, D. Trotskismos. Lisboa: Combate, 2008.

COGGIOLA, O. Historia del trotskismo en Argentina y América Latina. Buenos Aires: RyR, 2006.

FRONDIZI, S. La realidad argentina. Buenos Aires: Praxis, 1957, 2ª ed., 2v.

GONZÁLEZ, E. El trotskismo obrero e internacionalista en la Argentina. Buenos Aires: Pluma, 1995-2006, 4 Tomos.

GONZÁLEZ, E. Ascenso y caída del peronismo. Buenos Aires: Antidoto, 1986.

JUSTO, L. (Quebracho). Estrategia revolucionaria: lucha por la unidad y por la liberación nacional y social de la América Latina. Buenos Aires: Gure, 1957.

JUSTO, L. (Quebracho). Los Estados Socialistas de América Latina. Buenos Aires: GEU, 2006.

JUSTO, L. (Quebracho). Bolivia: la revolución derrotada. Buenos Aires: RyR, 2014.

KAREPOVS, D. (Org.). Cadernos AEL: Trotskismo. Campinas: IFCH/AEL, 2005, nº 22/23.

LÖWY, M. (Org.). Le populisme en Amérique Latine. Amsterdan: IIRE, 1987.

LÖWY, M. (Org.). O marxismo na América Latina. São Paulo: Perseu Abramo, 2006, 2ª ed.

MAITÁN, L. Les congrès de la quatrième internationale. Paris: La Brèche, 1989, 4v.

MEUCCI, I. A Revolução Cubana e o movimento trotskista na América Latina : impactos na construção de um projeto político (1959-1974). Dissertação de Mestrado. Campinas: IFCH/Unicamp, 2015.

MORENO, N. El golpe gorila de 1955: las posiciones del trotskismo. Buenos Aires: El Socialista, 2012, 2ª ed.

MORENO, N. La estructura económica Argentina. Buenos Aires: Estrategia, 1959.

MORENO, N. Método de interpretación de la história argentina. Buenos Aires: Pluma, 2008.

PEÑA, M. Historia del pueblo argentino. Buenos Aires Emecé, 2012.

PEÑA, M. Industria, burguesía industrial y liberación nacional. Buenos Aires: Fichas, 1974.

POSADAS, J. El peronismo: su orígen, desenvolvimiento y actualidad. Bruxelles: ECCP, 2009.

TARCUS, H. El marxismo olvidado en la Argentina. Buenos Aires: El cielo por asalto, 1996.

TROTSKY, L. A teoria da revolução permanente. São Paulo: Sundermann, 2009.

TROTSKY, L. Escritos latino-americanos. São Paulo: Iskra, 2009.

TROTSKY, L. História da revolução russa. São Paulo: Sundermann, 2007, 2v.

VITALE, L. Contribución para una Historia del trotskismo chileno. 1929-1964. Santiago: Clase contra clase, 2000.

VITALE, L. Historia Social comparada de los pueblos de América Latina. Santiago, sem data, 3 Tomos.

VITALE, L. Interpretación marxista de la Historia de Chile. Santiago, sem data, 7 Tomos.

VITALE, L. Introducción a una teoría de la historia para América Latina. Santiago, sem data.